Bolsonaro compara coronavírus a “gripezinha”

Jair Bolsonaro continua a não levar a sério a pandemia do novo coronavírus. Apesar dos muitos avisos da comunidade científica e do número de mortes não pararem de subir um pouco por todo o mundo, o Presidente do Brasil insistiu, durante uma comunicação ao país, que se for infetado pela covid-19 não sofrerá mais do que uma “gripezinha”. Também Donald Trump, recorde-se, descreveu há algumas semanas a covid-19 como uma “simples gripe”. Ora, veja-se agora, que os Estados Unidos da América são um “não-exemplo”, a seguir. Mas parece que Bolsonaro quer ser rebelde e seguir os maus-exemplos, nem país pobre e cheio de favelas.  E que comece a chacina!

Diga-se…

“No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como bem disse aquele conhecido médico daquela conhecida televisão”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, medidas profiláticas, como encerramento de espaços públicos, não fazem sentido. “Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércios e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Porquê fechar escolas?”, disse, contrariando as medidas de distanciamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.

“O vírus chegou, está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos”, frisou.

Portanto, o povo brasileiro é imune ao vírus que mata os velhinhos e não necessita de distanciamento social. As criancinhas podem continuar a brincar livremente nas escolas e quando chegam a casa e dão um abraço e um beijinho à avó, que com sorte até pode sobreviver ao covid, mas também se morrer já tinha outras doenças e o coronavírus chegou em último. E no meio disto tudo com coloca ordem nas ruas são os traficantes, que impuseram o recolher obrigatório nas favelas, algo que o Presidente do Brasil considera desnecessário.

#covidBrazil

4 thoughts on “Bolsonaro compara coronavírus a “gripezinha”

  1. Não consigo compreender, por mais que me esforce, que haja países com presidentes tão maus…
    Ele fala sobre ele mesmo… Mas ele é presidente de um País! É dever dele olhar pelos seus cidadãos e não apenas para o caso dele!
    Que serve uma economia, muito boa ou muito má que seja, sem pessoas??
    Custa muito ouvir um dirigente dizer tantos disparates colocando tantas pessoas em perigo, pessoas mais indefesas, que já vivem em condições extremas a passar por isto sem o mínimo de consciência que é urgente protegê-las!

  2. sinceramente nem sei o que escrever…
    espero que isto acabe rápido e com o mínimo de mortes possível embora cada vez se veja isto a piorar
    fiquem bem e fiquem em casa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *