Projeto The Plus – Itália

Quando a Associação Spin me enviou email sobre o novo projeto de NFE (educação não-formal) que decorria de 2 a 10 de Maio em Sirmione, Itália, pensei que seria uma excelente oportunidade de adquirir conhecimentos, conhecer lideres juvenis e sair da minha zona de conforto.

Apressei-me a fazer uma carta de motivação e enviar para a associação. E qual não foi a minha surpresa quando fui selecionada para o projeto e faltavam apenas 15 dias para o curso ter inicio. Numa corrida contra o tempo, era necessário comprar a passagem aérea, renovar o cartão europeu de saúde, preencher papelada e viajar para um local desconhecido, sozinha e sem conhecer bem a região.

O primeiro grande obstáculo foram os preços das passagens aéreas, demasiado elevadas e com pouca oferta. Optei por voar para Malpensa – Milão e a partir de lá deslocar-me para a região dos lagos italianos. Depois o cartão europeu de saúde não iria estar pronto no dia e foi preciso pedir um documento provisório na Segurança Social.

Chegado o dia da viagem, embarquei no horário previsto e eram 16h00 já estava em Itália, onde encontrei o outro português, participante do projeto.

Foram horas em autocarros e comboio até chegar a Sirmione, mas valeu muito a pena, porque o local é lindíssimo.

No curso havia participantes de Portugal, Itália, Reino Unido, Suécia, Grécia, Roménia, Letónia, Estónia e Chipre. Cada um com uma personalidade e cultura diferente, mas todos unidos e abertos a mudanças que possam surgir na Europa.

Para perceberem o que foi debatido neste curso vou deixar aqui um pequeno resumo do que consideramos Educação Não-Formal:

A Educação Não-Formal, conceito que tem crescido exponencialmente nos últimos anos, apresenta-se como uma metodologia de aprendizagem que assenta na interação entre o estudante e situações concretas. Promove o desenvolvimento de competências e valores, através de um processo educacional que não segue os padrões “normais” da Educação Formal. Diz adeus ao professor, à sala de aula, até mesmo ao currículo fixo e definido a priori. Estas competências – também designadas por soft skills – incluem a partilha interpessoal, a gestão e o trabalho em equipa, a multiculturalidade, a gestão de conflitos, a liderança, o planeamento, a gestão de projetos, a liderança pessoal, a comunicação, entre muitas outras.

O curso de formação chamava-se ‘The PLUS’ e foi 100% financiado pelo programa Erasmus+.

O Erasmus+ é o programa da Comissão Europeia nos domínios da Educação, Formação, Juventude e do Desporto (2014-2020).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *